quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal!

O Blog do Bernas deseja a todos um feliz natal e, se não postar nada entretanto, uma boa passagem de ano! (...eu vou publicar qualquer coisa antes do dia 31 mas nunca se sabe...)

Um abraço a todos,

Bernardo Rosmaninho

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Para ler antes do fim do ano...

O nome Robert Jordan surgiu pela primeira vez numa conversa com o meu primo Pedro Gil Rosmaninho, que não só fez referência à principal (e monumental) obra deste autor, uma série de 12 livros chamada The Wheel of Time como me deu um autêntico curso sobre a matéria, convencendo-me a adquirir (em Inglês) o primeiro livro e a ler algo que, para alguém que leu, releu, viu, reviu, e voltou a ler e ver tudo quanto diz respeito ao Senhor dos Aneis, me parecia não só indicado, como extremamente interessante...

Mais tarde seria outro amigo, este dos Salesianos de Manique, o grande Sérgio Branco, a recomendar-me os livros, numa sugestão que não esqueci e que tenciono cumprir, pois quero ver se leio pelo menos o primeiro livro, The Eye of the World, antes do dia 31.

Para evitar explicar de forma incorrecta a premissa desta serie de 12 livros tomei a liberdade de transcrever para aqui, do Wikipédia em inglês, um resumo que me parece apropriado. Assim sendo...

At the dawn of time, a deity known as the Creator forged the universe and the Wheel of Time, which spins the lives of men and women as its threads. The Wheel has seven spokes, each representing an age, and it is rotated by the One Power, which flows from the True Source. The One Power is divided into male and female halves, saidin and saidar, which work in opposition and in unison to drive the Wheel. Those humans who can use this power are known as channelers; the principal organization of such channelers in the books is called the Aes Sedai or 'Servants of All' in the Old Tongue.

The Creator imprisoned its antithesis, Shai'tan, at the moment of creation, sealing him away from the Wheel. However, in a time called the Age of Legends, an Aes Sedai experiment inadvertently breached the Dark One's prison, allowing his influence to seep back into the world. He rallied the powerful, the corrupt and the ambitious to his cause and these servants began an effort to free the Dark One fully from his prison, so he might remake time and reality in his own image. In response to this threat, the Wheel spun out the Dragon, a channeler of immense power, to be a champion for the Light. In the Age of Legends the Dragon was a man named Lews Therin Telamon, who eventually rose to command the Aes Sedai and their allies in the struggle against the Dark One's forces. After a grueling ten-year war, three generations after the Dark One's prison was breached, Telamon led his forces to victory in a daring assault on the site of the earthly link to the Dark One's prison, and was able to seal it off. However, at this moment of victory the Dark One tainted saidin, driving male channelers of the One Power insane. The male channelers devastated the world with the One Power, unleashing earthquakes and tidal waves that reshaped the world. Their leader, Lews Therin in his madness killed his friends, his family, and finally himself. Eventually, the last male channeler was killed or cut off from the One Power, leaving the human race all but destroyed and only women able to wield the One Power safely. The Aes Sedai reconstituted and guided humanity out of this dark time. Mankind now lived under the shadow of a prophecy that the Dark One would break free from his prison and the Dragon would be reborn to face him once more, raining destruction upon the world in the process of saving it from the Dark One.

Over the next three and a half thousand years, the human race returns to a level of technology roughly comparable to that of the Medieval era (although cultural institutions and traditions seem closer to the 19th Century), with the difference that women enjoy full equality with men in most societies, and are superior in some. This is put down to the power and influence of the female-only Aes Sedai spilling over into everyday life. Several major wars have ravaged the main continent since the defeat of the Dark One, such as the Trolloc Wars, when the surviving servants of the Dark One tried to destroy civilization once more but were defeated by an alliance of nations led by the Aes Sedai; and the War of the Hundred Years, a devastating civil war that followed the fall of a continent-spanning empire ruled by the High King, Artur Hawkwing. These wars have prevented the human race from regaining the power and high technology of the Age of Legends, and also left humanity divided. Even the prestige of the Aes Sedai has fallen, with their shrinking numbers and the emergence of organizations such as the Children of the Light, a militant order who hold that all who dabble with the One Power are servants of the Shadow. The nations of the modern era are able to unite against the warrior-clans of the Aiel, who cross into the western kingdoms on a mission of vengeance after they suffered a grievous insult, but are too divided to work effectively together in other areas.



Quem nunca viu o filme O Padrinho está a perder aquele que para mim é um dos 10 melhores filmes alguma vez feitos, uma enorme obra prima, que se baseia num livro de Mario Puzo, um autor italiano que (re)definiu o vocabulário como o conhecemos em relação ao crime organizado e, em especial, à Mafia. Sem mais explicações, fica aqui apenas o registo de intenções, visto que pouco existe a adiantar a um título que por si já diz (quase) tudo...



Abordando outro livro inserido numa mítica serie de livros, quase todos da autoria de Frank Herbert, Dune é um livro que a maioria das pessoas ainda não leu, quer seja por terem apenas visto o filme de David Linch, que eu apreciei, ou por não conhecerem a vasta quantidade de livros que foram escritos sobre o tema.

Em todo o caso, Dune é apenas um de vários livros, sete, que compõem a serie original, que entretanto já foi "reforçada" por duas prequelas, escritas sobre a forma de triologia, e que é acompanhada por outras sete curtas histórias (short stories), escritas ainda pelo principal autor da saga, Frank Herbert (as prequelas e o sétimo livro da serie original foram escritos por Brian Herbert, filho, e por Kevin J. Anderson, tendo por base as indicações e apontamentos que o escritor deixou).

Tendo motivado um filme, várias mini-séries, jogos de computador e um sem-número de livros acessórios, o complexo universo político, social e religioso que Herbert criou promete oferecer muitas horas de leitura aos interessados e merece um bom estudo prévio (aqui) para evitar confusões. Aqui, tal como fiz com o primeiro livro deste post, vou deixar uma curta sinopse, em inglês, desta obra...

Some 20,000 years in the future, the human race has scattered throughout the universe, populating countless planetary systems ruled by aristocratic royal houses who themselves answer to the universal ruler, the Padishah Emperor Shaddam IV. The CHOAM corporation is the major underpinning of the Imperial economy, with shares and directorships determining each House's income and financial leverage. Key is the control of the desert planet Arrakis, the only source of the valuable spice melange, which gives those who ingest it extended life and prescient awareness. Melange is crucial as it enables space travel, which the Spacing Guild monopolizes. Navigators use the spice melange to safely plot a course for the Guild's heighliner ships via prescience using "foldspace" technology, which allows instantaneous travel to anywhere in the universe.

The spice is also crucial to the powerful matriarchal order called the Bene Gesserit, whose sole priority is to preserve and advance the human race. The secretive Bene Gesserit, often referred to as "witches," possess mental and physical powers developed through conditioning called prana-bindu training.

A Bene Gesserit acolyte becomes a full Reverend Mother by undergoing a deadly ritual known as the spice agony, in which she ingests a lethal dose of an awareness spectrum narcotic and must render it harmless internally. Surviving the ordeal unlocks her Other Memory, the ego and memories of all her female ancestors. A Reverend Mother is warned to avoid the place in her consciousness that is occupied by the genetic memory of her male ancestors, referred to as "the place we cannot look." In light of this, the Bene Gesserit have a secret, millennia-old breeding program, the goal of which is to produce a male equivalent of a Bene Gesserit whom they call the Kwisatz Haderach. This individual would not only be able to survive the spice agony and access masculine Other Memory, but is also expected to possess "organic mental powers (that can) bridge space and time."[10] The Bene Gesserit intend their Kwisatz Haderach to give them the ability to control the affairs of mankind more effectively.

The planet Arrakis itself is completely covered in a desert ecosystem, hostile to most organic life. It is also sparsely settled by a human population of native Fremen tribes. Tribal leaders are selected by defeating the former leader in combat. The Fremen also have complex rituals and systems focusing on the value and conservation of water on their arid planet. They conserve the water distilled from their dead, consider spitting an honorable greeting, and value tears as the greatest gift one can give to the dead. Their culture also revolves around the spice melange, which is created as part of the life cycle of the giant sandworms who dominate the deserts. Bene Gesserit missionary efforts have implanted a belief in a male Messiah who will one day come and transform Arrakis to a more hospitable world.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Star Wars: A Musical Journey

Resolução nº1 do Bernas para 2009:

Ir ver ISTO (ler abaixo e ver acima)!

"Rarely in the history of cinema have sight and sound combined as powerfully as in the Star Wars Saga, and The O2 will bring the two together as never before in Star Wars: A Musical Journey, which will play for two days only, Friday 10th April and Saturday 11th April 2009 before launching its European tour.

The show features an extensive selection of Oscar-winning composer John Williams' unforgettable scores from all six Star Wars movies in an extraordinary two-hour musical event that features scenes from the movies, live narration and, at the O2, the 86-piece Royal Philharmonic Orchestra and choir. Star Wars: A Musical Journey is produced by Another Planet Entertainment, in association with Lucasfilm Ltd.

The live multi-media performance also includes an exhibition of memorabilia from all six films, provided by the Lucasfilm Archives, including original models, props, costumes and production artwork.

Tickets to Star Wars: A Musical Journey will go on sale to the general public beginning Monday, 15th December, online at www.theo2.co.uk or by calling 0844 856 0202."

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Questão da semana (para reflexão antes do Metalist)...

Depois de uma semana em que tudo aconteceu, menos o carro ir abaixo, e em vésperas do Glorioso receber os ucranianos do Metalist (ah, isto depois do FCP e do SCP terem tido um excelente desempenho na LdC, qualificando-se para a fase seguinte) fica aqui a questão que muito me assombra (do ponto de vista futebolístico) porque sei perfeitamente que a última vez que o Benfica deu 8-0 a um clube na UEFA foi (provavelmente) no tempo do Carcavelinhos. Qual destes é o verdadeiro Benfica?


Benfica 6 - Marítimo 0 (este Benfica?)



Olympiakos 5 - Benfica 1 (ou este Benfica?)

Na próxima quinta-feira, veremos o que sucede. Não acredito que o SLB se vá qualificar mas acho que é possível fazermos uma grande joga, encaixarmos uma receita considerável e, finda a partida, concentrarmos as nossas forças exclusivamente na competição nacional... Talvez dê para o Treble (Liga, Taça de PT e Taça da Liga). Um abraço a todos.

domingo, 7 de dezembro de 2008

O poder dos Lobos...



Achei este vídeo fantástico, e como não consigo tirar a música da cabeça ("The Pretender" - Foo Fighters), acabei por coloca-lo aqui. Um singelo tributo ao grande mundial que Portugal fez e, mais recentemente (nas duas últimas semanas), aos excelentes resultados que tem obtido nos Sevens (variante de rugby de sete).
Para mais informações consultem...
www.rugbyportugal.com
Tenham um bom Domingo.

Um abraço a todos,

Bernardo Rosmaninho


PS: Não tenho tido tempo para publicar posts (desculpem-me mas, em termos de internet, o Rugby Portugal tem-me tirado muito tempo do meu tempo livre) mas, very soon, colocarei aqui mais uma "Leitura Digestiva" e publicarei a minha lista de aquisições natalícias (para tentar cumprir...).

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Sugestão do Bernas: Simpsonize Me

Descobri esta pérola do "makeover" no blog Conto de Fuga, e ainda não tentei, pois estou a ponderar, "simpsonizar-me"...
O princípio da coisa é simples: converter uma imagem nossa .jpeg em .simpson e fazer alguns ajustes ao produto final. Experimentem aqui (link para o site) e digam-me o que acharam da ideia.

Tenham um bom resto de semana.

sábado, 22 de novembro de 2008

Fairytale



Eu quando estou com uma na cabeça... Bem, esta música chama-se "Fairytale" e (também) é da Sara Bareilles.

Existe, no vídeo, um ligeiro desfasamento entre a voz dela e a imagem. A
culpa é minha que, pelos vistos, não fiz o melhor upload do mundo ou então usei um formato de que o YouTube não gostou.

Tenham um bom fim-de-semana.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Gravity - Sara Bareilles



Já conheço a Sara Bareilles há mais de um ano, altura em que "encontrei" a página dela no imeem (ver aqui ou aqui). Demorou algum tempo a convencer-me que não estava perante mais uma Katy Perry, Ana Free ou Mia Rose, artistas que, não obstante as músicas com temas mais controversos, anúncios da Zon ou prémios do YouTube, respectivamente, ainda não valem, para mim, grande coisa mas começaram a sua carreira graças ao mesmo meio de comunicação: a internet.

Não creio que seja esse o caso com esta cantora/compositora norte-americana. É verdade que "Love Song" teve um enorme sucesso, tanto na radio como na tv (atingindo o top 5 da billboard), mas eu não a vejo de certeza absoluta como uma "one hit wonder", e encontro no seu álbum, "Little Voice", várias músicas com qualidade suficiente para sustentar esta opinião.

Deixo aqui uma música dela menos conhecida, de nome "Gravity", da qual ainda não existe um vídeo mas que consta do álbum acima mencionado. Tenham uma boa semana.

Something always brings me back to you
It never takes too long
No matter what I say or do
I'll still feel you here 'til the moment I'm gone

You hold me without touch
You keep me without chains
I never wanted anything so much
than to drown in your love and not feel your rain

Set me free, leave me be
I don't want to fall another moment into your gravity
Here I am and I stand so tall, just the way I'm supposed to be
But you're on to me and all over me

You loved me 'cause I'm fragile
When I thought that I was strong
But you touch me for a little while
and all my fragile strength is gone

Set me free, leave me be
I don't want to fall another moment into your gravity
Here I am and I stand so tall, just the way I'm supposed to be
But you're on to me and all over me

I live here on my knees as I try to make you see that you're
everything I think I need here on the ground
But you're neither friend nor foe though I can't seem to let you go
The one thing that I still know is that you're keeping me down

You’re on to me, you’re on to me and all over
Something always brings me back to you
It never takes too long...

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Sugestão do Bernas - I Tej&Tunas

No dia 15 de Novembro pelas 21h00, no auditório ESTeSL/ESEL, Parque das Nações, decorrerá o I Tej&Tunas - Festival de Tunas Femininas da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

Este festival surge na âmbito das celebrações do XI Aniversário da EST’eS La Tuna Feminina com o intuito de promover o convívio entre aqueles que consideram a musica tradicional portuguesa e o espírito académico como algo que deve ser mantido e enaltecido.

Os prémios serão:
. Melhor Tuna,
. Melhor Solista,
. Melhor Instrumental,
. Melhor Pandeireta,
. Melhor Original,
. Tuna Mais Público,
. Tuna Mais Tuna.

O Prémio “Tuna Mais Público” será deliberado pelo público no final do Festival!

Participarão a Concurso:
1.
TAFUE
(Tuna Académica Feminina da Universidade de Évora)


2.
Samarituna
(Tuna Feminina da Universidade Lusófona)


3.
Tuna Maria
(Tuna Feminina da Faculdade de Ciências da Universidade Nova)


4.
Tuna Sadina
(Tuna Feminina da Escola Superior de Educação de Setúbal)


Participarão Extra-concurso:
- Estudantina do ISEL

Programa
21h00 - EST’eS La Tuna Feminina
21h20 - Tuna 1
21h45 - Tuna 2
22h15 - Intervalo
22h45 - Tuna Convidada
23h10 - Tuna 3
23h35 - Tuna 4
23h50 - Intervalo
24h00 - EST'eS La Tuna Feminina
24h15 - Agradecimentos e Entrega de Prémios
01h00 - Festa no Cenoura do Rio, Parque da Nações

sábado, 8 de novembro de 2008

Liverpool Football Club, a intermitente grandeza de um gigante.

"Entre 1959 e 1974 aprendemos a crescer com Shankly, tornamo-nos gigantes, donos do nosso destino e o centro de uma nação; entre 1975 e 1984 com Paisley, éramos imortais, conquistámos tudo o que existia para conquistar, donos de um mundo que era vermelho; depois de 1985, fomos esmagados - por uma final fatídica e por tantos mortos - por Heysel, por Hillsborough, pela década que passámos fora da Europa, pelo futuro, que chegou de forma brutal..."


A segunda parte da história deste clube começa em 1966 e vai até ao ano de 1985, contando a ascensão de um titã, o Liverpool, e a sua conquista da Inglaterra e da Europa, antes de ser parada de forma abrupta por aquela final contra a Juventus, arredada de qualquer futuro com o desastre de Hillsborough, condenando o emblema, tal como o futebol inglês, a remodelar-se e... a renascer das cinzas.



1966 - 1974, O fim de um ciclo.

Em 1972, após uma curta travessia no deserto (apenas um 2º lugar na Liga em 68/69), originada por uma nova reconstrução na equipa, o Liverpool, afastado dos títulos desde o campeonato de 1966, começou um percurso diferente, visando o ataque á Europa, impondo o futebol dos 'reds' nas suas competições e restaurando a sua primazia a nível interno. Assim, onde dantes encontrávamos o defesa (e capitão) Ron Yeats e os avançados Roger Hunt e Ian St.John (o primeiro marcou 245 golos com a camisola vermelha só no campeonato - ainda hoje um recorde do clube) como principais referências de um plantel, agora tínhamos uma nova geração de jogadores, sedentos de conquista, mas onde ainda actuava Tommy Smith, assegurando a transição e comandando o meio campo do conjunto.

Foi exactamente essa equipa que conquistou o primeiro troféu europeu do clube (até então o clube apenas tinha chegado a uma meia final europeia - na Taça dos Clubes Campeões Europeus de 64/65), ao ganhar a Taça UEFA de 72/73, derrotando na final o Borussia Mönchengladbach e vingando a final da Taça das Taças perdida em 1966 contra outro Borussia, o de Dortmund, que assim adiou por mais uns anos esta primeira vitória.

Com mais duas ligas, a desse ano e a do ano seguinte, 73/74 e com a segunda vitória do clube na Taça de Inglaterra, tudo na mesma temporada, a equipa voltava ao topo e, Bill Shankly, o seu treinador principal, após duas décadas á frente do plantel, depois de revolucionar toda uma cidade e um clube, galvanizando uma massa humana enorme (que ele apoiava e acarinhava - chegava ao extremo de responder ás cartas dos adeptos, oferecer bilhetes e discutir com os adeptos que se lhe dirigiam questões relacionadas com a equipa ou o jogo anterior) levando-o aonde ele nunca tinha chegado, apresentou a demissão, retirando-se do futebol e apontando deixando o seu adjunto (que ocupava o cargo desde a sua primeira época no Liverpool), um indivíduo introvertido e reservado, como seu sucessor.
Esse homem, que tinha agora esta tarefa monumental, iria levar o Liverpool aos melhores momentos da sua história, conquistando o Clube, a Inglaterra e a Europa do futebol. No fim da temporada de 1973/1974 Bob Paisley, o fiel escudeiro de tantos anos, substituiu "Shanks" no comando da equipa técnica da equipa sénior. Começava a era dourada do clube de Merseyside.


1974 - 1983, Supremacia.

"Um Homem vulgar de invulgar grandeza", foi assim que descreveram o treinador que em nove anos apenas não conseguiu vencer uma taça, a de Inglaterra (teve 1 final perdida), trazendo para o clube um total de 6 Campeonatos (ficando por duas vezes em 2º), 3 Taças da Liga (1 final perdida), 5 Supertaças (uma 'Charity Shield' perdida), 1 Taça UEFA, 1 Supertaça Europeia (1 final perdida), 1 Taça Intercontinental e, mais importante, 3 Taças dos Clubes Campeões Europeus, duas delas seguidas. Foram 20 troféus e 17 finais, num registo que, até hoje, só foi superado por Sir Alex Ferguson, tratando-se ainda do melhor pecúlio alguma vez conquistado por um "manager" oriundo da Grã-Bretanha. Faltou-lhe o 'Treble', que esteve para conquistar em 1976/77 (Taça dos Campeões, Liga e Taça de Inglaterra), perdendo a taça inglesa para o Manchester United. Em tão pouco tempo e com tanta qualidade nunca ninguém tinha feito ou voltou a fazer o mesmo. Pelo menos até aos nossos dias.

Não foram só títulos, aquilo que Bob Paisley deu ao clube. Este filho de um mineiro, que trabalhou 44 anos seguidos em Anfield, formou equipas vencedoras, descobrindo e contratando jogadores de enorme qualidade que lhe permitiram chegar ao sucesso. Tratando-se de uma pessoa dotada de uma enorme visão e sabedoria, soube preparar o clube para o futuro salvaguardando o presente, evitando que, quando saísse do seu cargo, a onda vitoriosa que tinha dominado por uma década o futebol inglês e europeu desaparecesse. Algo que conseguiu.
Com uma presença diferente do seu predecessor, mais discreta mas mesmo assim incisiva quando era preciso (precisamente o caso quando, perante uma exibição fraca de Alan Kennedy na sua estreia afirmou: "Uma coisa vos digo: mataram o Kennedy errado!"), Paisley pegou na equipa campeã de 1974 e levou-a ao seu primeiro triunfo na principal prova europeia de clubes em 1976/77, consagrando jogadores como Tommy Smith, o guarda-redes internacional Ray Clemence, o galês John Toshack e, em especial, Kevin Keegan, o avançado cujo maior receio na vida era de falhar um golo de baliza aberta em frente á Kop, a mítica bancada de Anfield Road, que Shankly tinha tornado o coração do clube. Tal era a força dos adeptos do Liverpool.

O inglês autodidacta (estudou por iniciativa própria vários assuntos, como por exemplo, fisioterapia, assistindo na perfeição o seu antecessor nesse campo), numa manobra soberba, após a conquista desse ano (vencendo em Roma - de novo - o Borussia Mönchengladbach), trocou Keegan por um jogador do Celtic de que muitos temiam não ser capaz de substituir o mítico camisola 7, Kenny Dalglish. Estava contratado o melhor jogador da história do clube, avançado prolífico e homem providencial para o grupo nos momentos difíceis que estavam para vir...

Juntamente com outro escocês, Graeme Souness, e com a base da equipa campeã europeia, o clube conseguiu manter a sua hegemonia até ao fim dessa década e início da seguinte, agraciando o palmarés do clube, por entre tantas outras conquistas, com a sua segunda (a 77/78) e terceira (em 80/81) Taças dos Campeões Europeus. Chegava ao fim o percurso do treinador inglês mais bem sucedido de sempre. Quando em 1983, Bob Paisley passou a director em Anfield, retirando-se calmamente, o clube continuou, apoiado numa estrutura sólida e na excelência da bootroom, na senda do sucesso, tal como ele sempre quis.



1983 - 1985, Crepúsculo.

O ocaso dos 'reds', comandados, numa primeira fase, por Joe Fagan, outro técnico vindo da bootroom, escreveu-se com Campeonatos (entre 1979 e 1984 só por uma vez o Liverpool não foi campeão) e Taças, quer estas fossem da Liga (quatro seguidas, entre 80 e 84), de Inglaterra ou dos Clubes Campeões Europeus (em 83/84, derrotando na final a AS Roma, nos penalties). No entanto, estas conquistas nunca teriam sido possíveis se a prospecção do clube não tivesse descoberto, ainda pela mão de Paisley, jogadores como o mítico goleador do País de Gales, Ian Rush (o melhor marcador de sempre do clube, com 346 golos), e Bruce Grobbelaar, que veio susbtituir (eficazmente) o veterano guarda-redes Ray Clemence. Ao vencerem a AS Roma de Falcão, naquela final de 1984, esta equipa provou ser capaz de continuar a vencer, misturando, como a geração anterior havia feito, novos elementos com uma base já habituada ás vitórias.
O mal que teve em Heysel, para o grande público, o seu violento despertar, e que causou a queda do emblema do norte de Inglaterra do topo da senda europeia e mundial não era exclusivo de um determinado clube ou região mas sim nascido entre os britânicos e, posteriormente e progressivamente, exportado para a Europa. O hooliganismo, já era, á data de 29 de Maio de 1985, dia do seu evento de maior expressão, um fenómeno que corroía, havia uma década, o futebol europeu. Até essa trágica final, o futebol inglês tinha tido, em termos de clubes, (quase) duas décadas simplesmente fantásticas. Entre 1970 e 1985 os clubes ingleses acumularam 18 vitórias (7 TcCE, 5 TU, 3 TdT e 3 ST) e 10 finais (perdidas) nas provas organizadas pela UEFA.

Depois da tragédia de Heysel viria a mudança, primeiro sobre a forma de castigo, imposto pela organização que tutela o futebol europeu (interdição de cinco anos para os clubes ingleses, dez para o Liverpool), e só depois, cinco anos depois, com o desastre de Hillsborough, na meia-final da Taça de Inglaterra de 1988/89 (onde 96 pessoas, a sua grande maioria fãs dos 'reds', morreram), como remodelação. Do futebol inglês, dos clubes, do Liverpool, que apesar de continuar a dominar no plano interno perdeu a aquela que foi a melhor ocasião da sua existência para se elevar a patamares inigualáveis a nível europeu. Passava a oportunidade, entrava o clube em declínio...

(Fim da segunda parte)

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Election Day 2008 - Final Post (parte 1/2)

Neste dia tão importante para o resto do mundo, 150 milhões de americanos decidem qual será o próximo Presidente dos Estados Unidos da América. Por se tratar de um tema que me interessa acompanhei o assunto nos últimos meses e fui escrevendo vários posts, cobrindo assim a grande maioria das incidências eleitorais.
Ao fim da noite, creio que todos os interessados já saberão quem é o novo Presidente dos EUA. Entretanto, deixo aqui, para quem quiser consultar, os links para todos os artigos publicados no Blog do Bernas sobre o assunto (Eleições - USA 2008 no BdB) e, mais importante, o widget (destas eleições) mais completo que encontrei, feito pelo site da NBC, o msnbc.com. Boa noite a todos.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Liverpool Football Club, a intermitente grandeza de um gigante.

"Todas as histórias começam de forma diferente. Por um motivo ou outro, por paixão ou desentendimento, por amor ou ódio, por necessidade comum de muitos ou vontade determinada de um, todos os clubes de futebol surgiram de alguma forma, sempre diferente. E por detrás desse momento, da fundação de um gigante, podemos encontrar quase sempre uma personalidade e um espírito que ficam para sempre na nossa memória."

Este é o primeiro de três posts sobre a história de um clube que é mais do que um tributo á vontade e ao espírito solidário de muitos, é um exemplo fidedigno do percurso e das características do futebol inglês. Este é, ao mesmo tempo, brilhante e terrível, encontra-se repleto de grandes vitórias e de enormes desilusões, alberga o talento de jogadores, treinadores e dirigentes, capazes do melhor e do pior, tal como os fãs e adeptos, que marcaram épocas e formas de ver o desporto em terras de Sua Majestade. Esta é a história do Liverpool Football Club.

Março de 1892, A Fundação.

Se no Benfica existiu Cosme Damião, em Barcelona Joan Gamper, o Liverpool teve em John Holding (uma figura controversa, homem de negócios, futuro deputado do Partido Conservador e Mayor da cidade) o seu líder fundador.

John Holding, que era o proprietário do terreno onde o Everton jogava, Anfield Road, abandona os 'toffees' em ruptura com a direcção que presidia desde 1882. No dia 15 desse mês, ele e 19 outros sócios do clube que se tinha mudado para Goodison Park, formam o Liverpool Football Club. Após uma tentativa inicial (falhada) de roubar ao nome do rival, o conjunto recém-formado abandona o azul e adopta o vermelho da cidade como cor a 1894 e insere o liverbird, ave mitológica, no seu emblema no ano de 1901.

Começou assim a história de um dos maiores clubes do mundo, o maior de Inglaterra, que na sua primeira equipa não tinha um único inglês e que deve a John McKenna (um irlandês) o facto de no verão de 1893 ter entrado na Football League. Antes dessa entrada decisiva (i.e. durante a época de 1892/93) os 'reds' apenas puderam participar na Taça de Liverpool e na Liga do Lancashire, vencendo ambas.

O primeiro título no principal Campeonato surge a 1901, com o clube a ser liderado por Tom Watson, outra figura fundamental nas primeiras décadas deste. Até ao fim da década de 50, o emblema de Merseyside teve como grandes referências o guarda-redes Elisha Scott e o atacante Billy Liddell, que foi contratado por sugestão de um tal de Matt Busby, então capitão de equipa e futuro treinador do Manchester United, formando uma formidável geração de jogadores e levando-os á conquista da Taça do Clubes Campeões da UEFA, naquele que foi o primeiro título europeu de um clube inglês.

Nesta primeira fase, o clube angariou fãs e troféus, rapidamente ultrapassando em popularidade o seu rival de sempre Everton FC. Mesmo assim, o seu apogeu ainda estava para vir, com a chegada ao clube, em 1957, de um homem que revolucionaria o futebol de Anfield e que o colocaria no topo da nação futebolística, preparando-o para o ataque á Europa. Esse homem era Bill Shankly.

1957 - 1965, Desenvolvimento.

Bill Shankly chegou ao Liverpool em 1959. Homem de filosofia simples e convicções fortes, a sua acção revolucionou todo o clube, forçando uma melhoria nas condições de treinos, fazendo os jogadores viajarem sempre juntos, minimizando as lesões e controlando a sua condição física e alimentação, enquanto remodelava a equipa principal, submetendo-a ao seu método.

Este podia resumir-se a uma forma nova de abordar o comportamento da equipa, exigindo desta uma enorme entreajuda e colaboração, praticando depois um futebol prático, apoiado, de passe e corrida, com um jogador a proteger o outro atacando todos o mesmo objectivo. Assim, quando um membro da equipa estava a jogar mal, Shankly mantinha-o a jogar até que os colegas o ajudassem. Aquilo que o treinador definia como "ética socialista" era algo perceptível para o público de Anfield Road, que se revia neste estilo, liderança e atitude.

Os resultados não tardaram a chegar. Em duas temporadas, o clube regressa á Primeira Divisão, conquistando-a ao rival Everton em 1964. Em 1965 os 'reds' vencem a sua primeira Taça de Inglaterra e em 1966, com apenas 14 jogadores, voltam a ser campeões. O país era vermelho, a beatlemania ajudava e o clube estava em crescendo. Mais do que as vitórias, com Shankly o que mudava era a mentalidade e a atitude com que se abordava o jogo e o confronto com os adversários.

Certo dia, o treinador mandou colocar uma placa no acesso ao campo onde se lia "Aqui é Anfield". Questionado sobre o porquê deste acto, a resposta surge, incisiva: "Quero recordar aos nossos por quem estão a jogar e aos outros quem vão enfrentar. O fogo nas nossas entranhas vem do orgulho e da paixão de vestir a camisola vermelha. O estatuto de jogador do Liverpool mantém-nos motivados.".

Afirmações destas reforçam o espírito vencedor que o escocês quer implementar. Ele trata de o resumir da seguinte forma: "Muito do sucesso no futebol está na cabeça. Temos de acreditar que somos os melhores e depois asseguramo-nos de que o somos. Temos as duas melhores equipas do Merseyside, o Liverpool e os Reservas do Liverpool.".

Jogadores como Tommy Smith, "The Anfield Iron", que veio dos juvenis até aos seniores, jogando pelos últimos 637 vezes, dão corpo a este sentimento, a esta dedicação e ao esforço que era pedido, em prol do clube e do colectivo.

No entanto, mais do que o carácter ou conhecimentos de futebol, a grande dádiva deste treinador ao clube inglês foi a criação de uma pequena sala, um cérebro, um espaço onde se guardavam os equipamentos e onde só os escolhidos entravam, a bootroom. Esta surge aquando da remodelação que Bill Shankly faz quando chega ao clube e representa um esforço no sentido de aproveitar a sabedoria existente no corpo técnico do Liverpool. Na bootroom falava-se de futebol, respirava-se o desporto em todos os seus aspectos, num ambiente selecto que assegurava a transição de uma cultura de jogo, de um conjunto de princípios que assim se perpetuavam. Durante 30 anos seria aqui que o treinador sénior seria escolhido.

E foi assim que, durante as duas décadas seguintes, o Liverpool conquistou praticamente todos os grandes títulos. As décadas de 70 e 80 seriam as décadas de todas as conquistas... O júbilo que antecederia o desastre...

(Fim da primeira parte)

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Antevisão: LFC - A História

Quando estava no Linhas de Passe comecei a escrever algo que, até hoje, pese embora a enorme qualidade dos textos, ainda não concluí. Fiz muitos textos no "Linhas" e adorei criar cada um deles mas não os posso trazer ou copiar para o Blog do Bernas só porque já não estou a colaborar com o local onde os publiquei. Aconselho-vos a visitarem o LdP para lerem estes e outros textos (meus e dos outros autores).

Excepção à regra que acabei de enunciar é o seguinte conjunto de textos, sobre a história do Liverpool Football Club, que até agora não acabei e que vou terminar aqui no Blog do Bernas. Assim sendo, após publicar a primeira parte (de três) nesta 6ª feira, publicarei a segunda parte da história deste grande clube na quarta-feira seguinte (ou seja, de hoje a sete dias), e terminarei esta trilogia intitulada "Liverpool Football Club, a intermitente grandeza de um gigante." na segunda-feira, dia 10 de Novembro de 2008.

Na minha opinião, são três artigos de uma enorme qualidade e que eu gostei demasiado de escrever para os deixar por acabar. Só assim se justifica o facto de os publicar aqui, e de me dar ao trabalho de terminar algo que, tal como o nome deste post indica (ou como foi a minha presença no Linhas de Passe), pertence ao passado, à história.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Electing a US President in Plain English

Apeteceu-me colocar aqui este vídeo, algo estranho, que encontrei no YouTube, com um aspecto que considerei ao início infantil e com o locutor com a voz mais EMO que eu ouvi até hoje mas que consegue, em 3 minutos, sem imprecisões e utilizando toda a terminologia correcta, explicar como é eleito o Presidente dos Estados Unidos da América. Prometo que não volto a ter um surto pseudo-educativo aqui por uns tempos...

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

USA 2008 (o post antes das eleições)

Passaram dois meses, duas convenções, três debates presidenciais, e só agora escrevo outro artigo sobre as eleições presidenciais norte-americanas. Por dois motivos em particular, mas também para fazer um apanhado daquilo que foram 60 dias, no mínimo, interessantes.

Com Barack Obama a escolher Joe Biden para Vice-Presidente, o senador John McCain apostou em Sarah Palin como 'running mate'. Se na primeira escolha, o candidato democrata rapidamente ultrapassou as críticas de que esta era feita em função da inexperiência deste; no caso de Sarah Palin, que mesmo obteve uma boa reacção inicial, esta foi uma escolha que obrigou o candidato republicano a suportar algum desgaste, fruto de muitas situações que surgiram na sequência de um (posterior) escrutínio feito pela imprensa ao passado da candidata.


Não obstante estes factos, e mesmo depois de três debates que favoreceram o Senador do Illinois por duas vezes e o Senador do Arizona na última (e decisiva, para ele) vez, a diferença entre os dois candidatos não é maior do que 6/8 pontos, algo que não dá margem para descanso a nenhuma das duas candidaturas.

Previsão da NBC

Após o terceiro debate presidencial, sucederam duas coisas que me fizeram voltar a escrever sobre este assunto. A primeira foi o facto de um jornal que eu leio, sem qualquer problema ou preocupação com o facto, se ter declarado a favor de Obama (o Washington Post), sinal de que estamos perante uma cultura jornalística diferente, onde as escolhas e apoios são feitos 'às claras'.

A segunda foi ter visto Colin Powell, de quem já se sabia ter uma opinião muito favorável do candidato democrata, anunciar publicamente o seu apoio ao Senador do Illinois. Foi um golpe muito grande para a candidatura de John McCain ver um republicano muito respeitado, não só pelos dois partidos, mas também pelo público em geral; um General e veterano do Vietname, que serviu nas Administrações Reagan, Clinton e Bush; a personalidade republicana com o maior índice de popularidade junto do público norte-americano; apoiar o candidato do partido oposto, sobretudo numa altura tão fulcral como é esta, a duas semanas do escrutínio.

Previsão da CNN

Acredito que um apoio tão grande como este irá ajudar a campanha de Obama, ver porquê aqui, a cativar os indecisos e alguns republicanos não tão conservadores, porém acredito que 5, 6, ou até 8 pontos de diferença numa sondagem não são margens credíveis para considerar (como muitos jornalistas já fizeram), Barack Obama o vencedor (antecipado) das eleições de 4 de Novembro.


Todos os dados apontam para que nestas eleições os estados que ainda não estão determinados e alguns que ainda não estão seguros sejam determinantes na definição do Colégio Eleitoral e, por consequência, no decidir de quem será o próximo Presidente dos EUA. Estejam atentos, portanto, às escolhas dos eleitores dos Estados da Pensilvânia (21 votos), Carolina do Norte (15 votos), Geórgia (15 votos), Ohio (20 votos), Virgínia (13 votos), Indiana (11 votos), Missouri (11 votos), Colorado (9 votos) e, como não podia deixar de ser, Flórida (27 votos).

Quem vencer os 3 "grandes" acima referidos (Pensilvânia, Flórida e Ohio) ganha uma vantagem quase impossível de alcançar.
Por outro lado, consistência nos 3 Estados de Este pode ser fulcral para ganhar as eleições (Geórgia, Carolina do Norte e Virgínia).
Por fim, surgem aqueles Estados que, caso estejamos perante uma corrida mesmo muito apertada, podem dar a vitória a qualquer um dos candidatos (Indiana, Missouri e Colorado), mas que, por terem menos votos que os 3 "grandes" já referidos, perdem para estes a importância e o papel de elemento decisivo numa eleição.


Ficam aqui não só ligações para artigos extremamente interessantes sobre as Eleições Presidenciais nos EUA mas também imagens correspondentes a previsões de vários meios de comunicação social norte-americana, devidamente legendadas. Espero que apreciem o artigo e que tenham uma boa semana.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Leitura Digestiva (#6)

Nota: A expressão "Leitura Digestiva" diz respeito aos livros que costumo ler muitas vezes ou aqueles livros que aprecio tanto, que acabo por, independentemente do tamanho destes ou do tempo disponível, me envolver na leitura deles, levando-os para todo o lado e aproveitando toda a ocasião para os ler, até que os acabe (quem me conhece melhor e/ou já passou férias comigo já está habituado a ver-me com o 'tijolo' atrás, sendo que não é de todo invulgar passado dois, três dias, já ter mudado de exemplar...).

Já há muito tempo que não fazia um post para esta rubrica e consegui agora deixar aqui uma sugestão de leitura que apenas me veio á cabeça pôr aqui quando a confrontei com outro livro do mesmo género.

Talvez pareça injusto comparar o primeiro volume da melhor obra escrita sobre Alexandre o Grande, o que é o caso, com outro livro bem mais romanceado e menos preciso, mais interessado em oferecer uma "estória" do que contar aquilo que, de facto, foi a história da vida deste colosso ("Virtudes da Guerra", de Steven Pressfield), que fez do trabalho de seu pai, Filipe, e de um povo, claramente visto por toda a gente como bárbaro, molas para conquistar o seu pedaço de glória e fama imortal, numa saga que nem vários escritores, nem sequer realizadores de cinema, conseguiram capturar efectivamente. Mas foi nesse contexto que comecei a ler "Alexandre, O Grande - O filho do sonho" e, passado já muito tempo depois de ter acabado de ler o livro uma segunda e terceira vez, posso afirmar que não me arrependo que fiz uma excelente compra.

Os livros de Valerio Massimo Manfredi, em especial o 1º volume da trilogia de Alexandre, O Grande: "O filho do sonho", são aqueles que se aproximam mais daquilo que foi a vida do personagem e aquela parte da história dos Macedónios. Este romance de 312 páginas é, na minha opinião, algo soberbo, tratando-se de um livro obrigatório para todos os interessados no tema. O trabalho de Manfredi é visível no cuidado com nos diálogos, no detalhe empregue na caracterização das (muitas) personagens, não se sentindo nunca tentado a afastar uma da narrativa ou a omitir pessoas e eventos que, para nós leitores, seriam importantes (de constar) num livro deste género.

Como exemplo da qualidade de escrita do autor italiano temos inclusive os argumentistas de Alexandre (Oliver Stone, 2004) que chegaram ao cúmulo de fazer verdadeiros "copy-paste" de diálogos do livro, inserindo-os no filme tal e qual como estão, sem qualquer tipo de adaptação.

Se para o leitor comum este autor é mais facilmente conotado com o filme "A última legião", uma adaptação cinematográfica (bastante má, a meu ver) de um livro seu com o mesmo nome, o seu maior sucesso e a obra que fez dele um nome reconhecido no panorama internacional do romance histórico foi esta que aqui apresento, que tem como complementos, o 2º e 3º volumes, intitulados, respectivamente, "O segredo do oráculo" e "No fim do mundo".

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Nota Editorial

Com o Rugby Portugal a funcionar em pleno e a ser o sucesso que está a ser eu tenho tido menos tempo para poder colocar aqui posts. Com o passar do tempo, essa situação vai tornando-se mais normal mas por agora preciso de um tempo para encontrar uma cadência correcta de publicação aqui no Blog do Bernas. Boa semana a todos.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

O filme mais desconcertante de sempre...

Se alguém vos dissesse que foi ver um filme com onde apareciam: Tom Cruise, Robert Downey Jr., Matthew McConaughey, Jennifer Love-Hewitt, Jon Voight, Nick Nolte, Jason Bateman, Ben Stiller, Tobey Maguire, Jack Black, entre outros, seria normal que lhe perguntassem qual é o filme, se é bom e o que onde é que o tinha vista, visto que não é assim muito normal encontrar elencos tão bem compostos...

E se essa mesma pessoa vos dissesse que minutos depois do filme começar ainda estava com dúvidas se já estava a ver o filme em questão ou se se tinha enganado na sala? Acreditem, o filme existe e é, na minha opinião, a coisa (sim, coisa) mais desconcertante a que assisti na minha vida! Eu nem sei se deva dizer às pessoas que me perguntam se o devem ir ver ou não...

Algo que mais parece ao inicio um trailer, converte-se a seguir na maior compilação de referências a filmes sobre guerra, de Platoon ao Apocalypse Now, passando pelo Resgate do Soldado Ryan, pelo Lawrence of Arabia e pelo I am Sam(!), tudo vale naqueles 100 minutos de completa estupidez...

Eu, o Pedro Maria e o Pedro Gil decidimos que ir ver TROPIC THUNDER era uma coisa sã e normal de se fazer... mas não é! Vejam o filme e depois digam-me se não se riram imenso, enquanto comentavam que aquilo é o pior filme da história dos filmes, o único que consegue misturar músicas como "Sympathy for the Devil" (dos Rolling Stones) e "I Love Tha Pussy" (Deus sabe de quem).

Fica aqui o trailer da cena, que não vos prepara em nada para aquilo que vão ver... Tenham fé, ponham toda a carne no assador, preparem-se, porque este filme tem o fritar o bacon mode engaged bem ligado... (Entretanto, se acham que têm que ver outras coisas desconcertantes, nada no mesmo estilo, mas que também figuram neste post, vejam os míticos Iron Monkey 1 e Iron Monkey 2 - sim, é uma sequela)



PS: Já está! Fiz uso das referências todas... Nem o Quinito me escapou! Brutal...

domingo, 5 de outubro de 2008

O Rugby Portugal está finalmente em actividade (e recomenda-se)!


A todos os adeptos do rugby,

Venho por este meio convidar-vos a visitarem (e colaborarem) com um novo site dedicado ao rugby nacional, o Rugby Portugal, que por via desta missiva apresento.

Este site, por ora disponível no endereço www.rugby-pt.blogspot.com, não pretende substituir ou competir com os existentes (e futuros) sites/blogues que os clubes, em conjunto ou individualmente, entendam ter. Nem pretende o autor deste, por força da atenção que um blogue ou site desta modalidade gera, dar origem a mais um espaço de opinião (mais ou menos crítica), independentemente da razão (para não falar do direito) que assiste a quem escreve nesse tipo de sites.

Aquilo que pretendo é compilar, de forma eficiente e actualizada, informações sobre todos os intervenientes do rugby nacional, não olvidando nunca a apresentação dos resultados, classificações e estatísticas (quando possível) dos últimos jogos das competições de Sub16, Sub18, Sub20, Seniores, Femininos, Universitários e respectivas selecções nacionais.

Consciente de que se trata de uma tarefa difícil, quiçá impossível para uma pessoa só abraçar, peço a todos aqueles que possuem sites, blogues ou que apenas participam, de uma forma ou de outra, neste fantástico jogo, que me facilitem (mediante reconhecimento) o acesso às fotos, resultados, marcadores, vídeos e/ou outras informações que possam ajudar cada post do Rugby Portugal a ser mais completo e cada descrição de mais uma jornada, independentemente do escalão, equipa (ou equipas) e competição envolvidas, mais atractiva a todos aqueles que, tal como eu, procuram um local onde possam saber um pouco daquilo que se passa no rugby português, onde encontrem uma página dedicada a cada clube (antigo ou novo), com informações e fotos sobre este, onde seja possível ver as classificações e próximos jogos, onde, de tempos a tempos, figuras do rugby nacional sejam convidadas a dar uma entrevista, abordando temas de interesse comum, enfim, um local aberto a todos e onde, não obstante as enorme dificuldades que antevejo, estas intenções (e outras) sejam uma realidade.

Agradeço a vossa recepção deste convite e faço questão desde já de agradecer a todos aqueles que já se disponibilizaram para ajudar quer seja autorizando-me (mediante reconhecimento do autor) a usar o seu material, quer seja prontificando-se para me fornecerem os resultados (e os marcadores) dos jogos que aí vêem, através do contacto do Rugby Portugal, o número 912021036, ou por via do endereço de e-mail do site, o rugbyportugal.mail@gmail.com.

Despeço-me sublinhando a necessidade que existe em ter ajuda neste projecto e desejando a todos a melhor época 2008/2009 possível. Muito obrigado.

Bernardo Rosmaninho

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Aviso

Não tenho tido muito tempo para postar aqui, sobretudo com o RUGBY PORTUGAL na fase final de construção. Assim sendo espero que compreendam que esta semana, e provavelmente a próxima, serão de poucos posts no Blog do Bernas. Depois voltarei "à carga", mas agora não dá para fazer algo que não seja feito à pressão (o que não quero). Espero que tenham todos uma boa semana, que o SLB ganhe amanhã (até porque vou ver o jogo com os meus primos!), e que os meus visitantes aproveitem (já que não tenho posts novos agora), para dar uma olhadela nas "Rubricas e Competições do Bernas" e nos posts mais antigos. Um abraço a todos.


PS: Deixo aqui uma sugestão para os fanáticos do desporto acompanharem nos próximos tempos:

- Vejam o Campeonato do Mundo de Futsal, a decorrer no Brasil este mês e contando com a selecção nacional (os jogos dão na RTP). Vejam o site da prova (aqui - com videos e fotos a jórros) e outro site alternativo (aqui) onde podem seguir as incidências (mais sucinto mas atento aos detalhes essenciais da competição).

domingo, 28 de setembro de 2008

K7's do Bernas - Volume 6


Esta música, escrita por Brian May a 1988, deveria figurar do album "Miracle", de 1989, mas só foi ouvida pelo público pela primeira vez no ano de 1992 num concerto em memória de Freddy Mercury, constando, quatro anos depois da morte do vocalista dos Queen, da lista de músicas de "Made in Heaven" (1995), o último disco da banda.



Desejo a todos uma boa semana. Bernardo Rosmaninho

I'm just the pieces of the man I used to be
Too many bitter tears are raining down on me
I'm far away from home
And I've been facing this alone
For much too long

I feel like no-one ever told the truth to me
About growing up and what a struggle it would be
In my tangled state of mind
I've been looking back to find
Where I went wrong

Too much love will kill you
If you can't make up your mind
Torn between the lover
And the love you leave behind
You're headed for disaster
Cause you never read the signs
Too much love will kill you
Every time

I'm just the shadow of the man I used to be
And it seems like there's no way out of this for me
I used to bring you sunshine
Now all I ever do is bring you down

How would it be if you were standing in my shoes
Can't you see that it's impossible to choose
No there's no making sense of it
Every way I go I'm bound to lose

Too much love will kill you
Just as sure as none at all
It'll drain the power that's in you
Make you plead and scream and crawl
And the pain will make you crazy
You're the victim of your crime
Too much love will kill you
Every time

Too much love will kill you
It'll make your life a lie
Yes, too much love will kill you
And you won't understand why
You'd give your life, you'd sell your soul
But here it comes again
Too much love will kill you
In the end...

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Europeu de Sub-19 - Poland 2008 (Rugby - Actualizado a 28/09!)

Numa competição a eliminar, nas meias finais de um europeu, perder por diferença de ensaios marcados, quando no final do tempo regulamentar o resultado está empatado a 20 pontos não é mau, é apenas injusto. Não sabia que isto podia acontecer mas desde quando é que, no rugby, a difernça de ensaios marcados é usada para desempatar algo mais que a classificação final num grupo ou campeonato?!

4os de final
Rom 28 - 09 Bel
Geo 62 - 07 Hol
Rus 22 - 11 Pol
Esp 08 - 24 Por

É ridículo que num jogo de uma fase final, em que tem que existir um vencedor, em que ambas as equipas estão no "tudo por tudo" para obterem uma vaga na final, não se faça um prolongamento para decidir o vencedor no fim da partida! São competições internacionais, não jogos de Sub-14! As equipas não precisam de ser salvaguardadas fisicamente! Até nos Torneios Primavera se fazem prolongamentos para apurar o vencedor de um jogo a eliminar!

1/2as finais
Rom 20 - 20 Por
Geo 37 - 00 Rus

Irrita-me chegar ao fim de uma partida destas (meia-final do Europeu de Sub-19) e ter de ver a minha selecção vencida simplesmente porque a outra equipa (parabéns à Roménia) marcou mais pontos de uma determinada forma (ensaios, o jogo ficou empatado 20-20). Aonde é que o ensaio vale mais, como forma de pontuar, do que uma penalidade ou um pontapé de ressalto?

Finais
7º e 8º lugar: BEL 27 vs POL 05
5º e 6º lugar: ESP 22 vs HOL 07
3º e 4º lugar: POR 29 vs RUS 31
1º e 2º lugar: GEO 31 vs ROM 28

Peço desculpa aos meus leitores mas, por vezes, regras caducas e (para mim) sem sentido fazem-me escrever vários parágrafos de pura reclamação redundante (que foi o que aconteceu aqui). Desejo a todos uma boa semana e ficam aqui as fotos (ver album abaixo) e os resultados (com restante calendário) do Europeu Sub-19, que decorre na Polónia. Recordo que o vencedor deste campeonato (que agora sabemos ter sido a Roménia - Portugal ficou em 4º lugar) ganha o direito a participar na próxima edição da IRB Junior Rugby World Trophy, prova sobre a qual fiz um post (que pode ser consultado aqui) que aconselho todos os interessados a ler.

domingo, 21 de setembro de 2008

InfoBernas


Por causa do Rugby Portugal, que me vai tirar mais uma noite (já vou a mais de dois terços do processo de construção e vou começar hoje a transportar a informação para o site - que é o mais importante e o que mais custa fazer), decidi deixar aqui apenas uma frase que uma claque do Braga afixou no Estádio do Mar para o jogo deste domingo com o Leixões, sintomática de um problema sobre o qual eu gostava de ter escrito algo neste fim-de-semana (aqui ou no Linhas de Passe): o da pouca afluência aos estádios nacionais de futebol.

«Manchester United - Chelsea, 30 euros; Barcelona - Real Madrid, 30 euros; Lazio - Roma, 30 euros; Leixões - Sporting de Braga: 30, 40, 60 euros. Estamos no topo da Europa.»


Elucidativo, não é?

A "leitura digestiva" (que já anda à espera desde o fim de Agosto) terá que esperar mais uns dias. Muito trabalho para um passatempo (o site de rugby) mas, ao início, tem mesmo que ser.
Tenham uma boa semana.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

K7's do Bernas - Volume 5


Ainda me lembro de, em Janeiro deste ano, quando começei esta rubrica, ter-me comprometido (solenemente) a 'desenterrar' de onde for preciso, sem olhar a meios, pérolas músicais (ou talvez não) que, de tempos a tempos, irão atormentar todos aqueles que se atreverem a visitar este grande site. Antigas, obsoletas, decadentes, imorais e, se tiver mesmo que ser, umas músicas mais recentes.

Só deu (até agora) para fazer cinco volumes, não por falta de musicas ou de paciência, mas apenas porque isto sempre foi algo que eu punha aqui quando me apetecia e não de uma mais ou menos forma regular. Assim sendo, e porque tenho que fazer jus ao meu "compromisso", deixo aqui mais uma faixa, esta bem velhinha, de 1983, de Lionel Richie que, antes de vir para aqui, tinha acabado de ouvir.

Estranho que, de tantos locais e eventos onde esta música foi tocada, na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos (1984 - LA, USA), numa entrega do Prémio Nobel da Paz (2006 - Oslo, NOR), ou no primeiro episódio da série de tv Miami Vice (1984 - Miami, USA), entre outros, sobressaia um mais bizzarro, que de certeza que não agradou a Lionel Richie: durante a invasão do Iraque, em 2003, a música "All night long" foi ouvida nas ruas de Bagdade enquanto esta era tomada pelas forças militares norte-americanas...

Fiquem bem e tenham um bom fim de semana... No domingo trago uma nova "Leitura Digestiva" e, caso tudo corra bem, notícias sobre um site de rugby novo, que pretende reunir e divulgar de forma efectiva tudo aquilo que se passa na modalidade em Portugal.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

A saga continua...

Isto é só mais uma achega, para quem leu o meu post/testamento no Linhas de Passe, intitulado "As andanças do futebol Lusitano" em que compilei, numa versão mais extensa e actualizada que a do meu post original sobre o assunto (feito aqui no Blog do Bernas), todas as incidências desta saga que envolve o Benfica, o Porto, o Guimarães, a Liga, a Federação e a UEFA, entre outros... Na altura, tal como agora, não omiti acontecimentos nem deixei ninguém pior ou melhor visto do que os factos me permitiram, posto que me baseei (e suportei) em todos os parágrafos dessa longuíssima cronologia no respectivo link.

Para quem ainda não leu nada, deixo aqui (outra vez) os links para o primeiro post sobre o assunto (do BdB) e para a grande e gloriosa compilação (do LdP), acrescentando este pequeno testemunho, de mais um eterno fornecedor de "material" desportivo, o Jornal Record. Porque há que vender jornais, encher caixas de comments destes, fazer horas de reportagem e gastar todo o latim possível e mais algum sobre o caso/sucessão de casos/novela.


17/Setembro - Ficamos a saber, que o Tribunal Arbitral do Desporto (vulgo TAS) pode ter violado o princípio da necessidade de análise e apreciação jurisdicional da prova ao considerar, no acórdão ontem tornado público, que as decisões da Comissão Disciplinar da Liga (CD) e do Conselho de Justiça (CJ) da FPF “não demonstram suficientemente o envolvimento em actividades ilícitas” do FC Porto, no âmbito do processo Apito Final. Porquê? Porque nem sequer analisou as decisões (vulgo acordãos) resultantes dos órgãos acima nomeados. Perante o facto de ainda ninguém ter retirado consequências jurídicas ou ter tomado qualquer tipo de acção como consequência desta possíbilidade (que remete para a primeira instância disciplinar da UEFA - o CCD ou Comité de Controlo e Disciplina qualquer decisão futura), deixo aqui também o resto da notícia:

"Não sendo o TAS um órgão de recurso das instâncias desportivas portuguesas, tinha duas hipóteses ao analisar este caso: ou aceitava as decisões da justiça desportiva e fazia o seu juízo em função do que foi decidido em definitivo na justiça desportiva portuguesa (o efeito desportivo da subtracção de pontos e de suspensão dos dirigentes e árbitros) ou punha em causa as decisões da justiça desportiva e fazia um juízo próprio.

Ao optar por esta última forma, como aconteceu, teria de analisar todo o processo, ou seja, a prova produzida, a fundamentação dos órgãos da justiça desportiva, a justeza da decisão à luz do regulamento disciplinar português e, por fim, se não concordasse com a decisão, explicar porquê. Ora, o próprio TAS reconhece que não teve acesso à tradução dos acórdãos que penalizaram o FC Porto e Pinto da Costa, acrescentando que as decisões tomadas pelo CJ “não foram claras”. Para além do facto de ainda correrem processos nos tribunais admnistrativos das decisões tomadas. Providências cautelares que têm vindo a ser indeferidas... (...) Ou seja, o FC Porto ganhou mais uma batalha, mas esta guerra ainda não terminou..."


Esta última frase é uma preciosidade que eu queria guardar no post para a posteridade. Não sei se o artigo foi feito por um indivíduo particularmente avesso ao FC Porto mas reconheço que, com ou sem Quaresma, com mais ou menos 'aldrabiçes' a nível interno, eles deram hoje um balente cabaz no Fenerbahce... e enquanto assim for (na UEFA) fico satisfeito. Cá dentro é outra conversa, mas isso é muita areia para esta (pequena) camioneta...